As obras da rota

Caminhada da planta em Haute-Gironde, 2017

Em 2017, é com o tema do patrimônio vegetal do Plassac que inauguramos o projeto: “Caminhada da planta na Alta Gironde”, durante o qual trouxemos o ceramista Eric Roger, que nos ensinou a imprimir as plantas coletadas no campo da aldeia no terreno e nós os inserimos e nomeamos no mosaico.

Este mosaico ilustra também os nossos juncos que fazem fronteira com a Gironda e, sem dúvida, as uvas das nossas vinhas.

Está colocado na parede do museu da villa galo-romana em frente a uma árvore centenária.

Materiais: mármore, Litovi, esmaltes venezianos, cerâmica.

Produção em grupo na oficina Babylon Mosaic.

Reflexões sobre o estuário do Gironde, 2017

Para este segundo projeto, colaboramos com o artista de vitrais Dominique Gillet com quem fizemos pirâmides multicoloridas em vitrais Tiffany que depois inserimos no mosaico. Este tenta traduzir a beleza e a versatilidade das cores dos nossos pores do sol nas águas da ria e no céu. Essas mudanças de luz operam a cada hora do dia na obra graças à projeção rotativa das cores transparentes das pirâmides de vidro do mosaico de acordo com a posição do sol e dos espelhos coloridos nas ondas representadas na obra.

Este mosaico está colocado perto do estuário e a sua linha do horizonte liga-se perfeitamente ao horizonte natural do rio.

Materiais: mármore, esmaltes venezianos, espelho de vidro Ravenna, pirâmides de vitral.

Produção em grupo na oficina Babylon Mosaic.

Janela do estuário, 2018

Esta moldura dupla face, aberta para a paisagem fluvial de um lado e a velha aldeia do outro, contribui para a valorização do nosso património visual natural.

É um postal vivo cuja estrutura evoca as nossas cabanas de pesca que se espalham pela margem do nosso rio.

O tema decorativo das bordas da moldura ilustra a fauna da orla da Gironda ... pássaros, roedores, insetos etc ...

Materiais: grés cerâmico, esmaltes venezianos, espelho Ravenna, vidro tiffany.

Produção em grupo na oficina Babylon Mosaic.

Embarque no Museu, 2018

Este barco de 4 m de comprimento, coberto com mosaico sobre o tema pesca, representa 12 peixes do estuário nas bordas do casco. São acompanhados por uma "corda" em trança romana formando uma pequena onda que anima o fundo (uma referência aos mosaicos da nossa villa galo-romana).

O fundo do casco coberto por espelhos azuis e salpicado de estrelas fosforescentes dá um caráter encantador ao nosso barco.

Também produzimos o brasão da cidade na proa.

Este trabalho “titânico” exigiu a participação de 12 estagiários permanentes e a intervenção de 35 voluntários curiosos e entusiasmados para poderem participar no projeto. Os nomes de todos os participantes foram gravados nas tesselas do barco.

Materiais: grés, esmaltes venezianos, vidro espelho Ravenna, vidro tiffany, tesselas fosforescentes.

Produção em grupo na oficina Babylon Mosaic.

Nossas velhas ferramentas de vinho, 2019

A aldeia alberga uma pequena estufa de vinhos onde se encontram as ferramentas dos nossos antepassados, foi aí decidido prestar homenagem graças a um grande afresco que rebenta na parede do pequeno edifício. Assim, estão representadas várias ferramentas características do que se encontra no interior. Os nomes das ferramentas aprendidas ou esquecidas estão embutidas na cerâmica incorporada ao mosaico.

Materiais: grés cerâmico, smalti, mármore, cerâmica.

Produção em grupo na oficina Babylon Mosaic.

Dança das Marés, 2019

Este tríptico horizontal na entrada da aldeia leva o visitante à superfície da margem do rio com seus ciclos e variações de densidade sob a influência da lua. As cores presentes procuram mostrar ao caminhante que a água do rio não é só castanha e turva, a luz que toca a sua superfície a transforma e a pinta com amarelo dourado, azul-púrpura, prateado e ocre ... É uma forma de convidando você a olhar a natureza pela beleza que ela generosamente oferece e não apenas pela ideia que a temos.

Materiais: Grés Porcelânico, Smalti.

Produção em grupo na oficina Babylon Mosaic.

panneau complet copie.jpg